JESUS É BOM!!!

JESUS É BOM!!!
Família - Milagre de Deus

NA LUTA CONTRA O PECADO

NA LUTA CONTRA O PECADO
Por AMOR ao PECADOR ARREPENDIDO...

IBNV SOBRADINHO

IBNV SOBRADINHO
Nossa IGREJA...

NÃO SE ACANHE, COMENTE!!!

NÃO SE ACANHE, COMENTE!!!
Respondo em BREVE...

Você tem tudo para ser FELIZ!!! (vídeo)

video

Renato Vargens: 05 razões porque não devemos cantar qualquer coisa...


Volta e meia ouço alguém dizer que é uma grande bobagem os pastores e teólogos se preocuparem com aquilo que está sendo cantado nos cultos.

Normalmente os que defendem essa premissa alegam que o mais importante é que Deus seja exaltado e não o conteúdo das letras. Ora, os que pensam assim cometem um grave erro pelo fato de que letras desprovidas de saúde bíblica teológica não glorificam a Deus.

Diante do exposto resolvi escrever cinco razões porque não devemos cantar qualquer coisa na igreja, senão vejamos:

1-) Não devemos cantar qualquer coisa na igreja pelo fato de que um letra com pressupostos, doutrinas e ensinos errados podem levar a igreja a pensar de forma equivocada a respeito de Deus e sua Palavra.

2-) Não devemos cantar qualquer coisa na igreja visto que uma letra de conteúdo distorcido pode levar uma igreja  a apostasia.

3-)  Não devemos cantar qualquer coisa na igreja visto que um falso ensino de uma falsa letra pode produzir divisão na igreja.

4-)  Não devemos cantar qualquer coisa na igreja visto que um falso ensino, numa falsa letra pode promover uma visão distorcida de quem seja Deus,

5-)  Não devemos cantar qualquer coisa na igreja visto que uma letra distorcida pode exaltar a homem, diminuir a Deus e propagar um falso evangelho.

Pense nisso!

Renato Vargens

A IRA, A MISERICÓRDIA E A GRAÇA - Marcelo Mittelstadt


Em nossos dias, a idéia da ira de Deus, não é bem aceita por muitos. Criou-se a idéia “lógica” de que, se Deus é amor, logo Ele não se ira. Esse é um grande engano, muito mais, é uma grande mentira.

Muitos aceitam tal “verdade”, porque o povo que se chama “cristão”, esqueceu da grande virtude dos irmãos de Beréia, não engolir nada, sem antes conferir nas Sagradas Escrituras. (Os bereanos eram mais nobres do que os tessalonicenses, pois receberam a mensagem com grande interesse, examinando todos os dias as Escrituras, para ver se tudo era assim mesmo. Atos 17:11)
A verdade é que Deus se ira, e Ele já está manifestando sua ira. (Portanto, a ira de Deus é revelada do céu contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça, pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Romanos 1:18-19)
Deus é santo, justo, a própria essência da perfeição, e agora sim, aplicando o pensamento lógico de forma correta, Ele não tolera o pecado, porque o pecado é a rebeldia contra todos os Seus atributos, diante desta situação, o que cabe a nós é a justa morte por transgressão, se há algo que mereçamos de Deus, é a sua ira. O que cabe ao homem entender, é como se livrar dessa ira.
Na verdade, não há como, por qualquer esforço humano, por maior que seja, livrar-nos dessa ação do Senhor Soberano que é a sua ira. (Como está escrito: "Não há nenhum justo, nem um sequer; não há ninguém que entenda, ninguém que busque a Deus. Romanos 3:10-11)
A única forma de libertação desse terrível destino, tem que vir do próprio ofendido. Mas Deus não poderia simplesmente perdoar a todos por um decreto, pois desta forma Ele estaria também transgredindo a sua justiça. Então o Senhor derrama sobre o homem outra ação, essa chamada: misericórdia.
O homem é totalmente merecedor de toda a ira de Deus, porém o Senhor usa de misericórdia, e a misericórdia é justamente isso: Que Ele decida não derramar sua santa ira sobre nós que a merecemos. E para que a sua ira seja aplacada, Deus revela a sua graça ao homem, e a graça é: Que Ele decida nos dar aquilo não merecemos. (pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente por sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus. Deus o ofereceu como sacrifício para propiciação mediante a fé, pelo seu sangue, demonstrando a sua justiça. Em sua tolerância, havia deixado impunes os pecados anteriormente cometidos; mas, no presente, demonstrou a sua justiça, a fim de ser justo e justificador daquele que tem fé em Jesus. Romanos 3:23-26)
A graça de Deus nos dá a libertação da condenação por transgressão. E para que Ele possa justificar aqueles que são totalmente injustos, Ele envia o seu próprio filho, JESUS, que nasceu de mulher, porém concebido sem ação carnal, que cresceu como homem, mas não pecou, não cometeu pecado algum, não transgrediu nenhuma lei de Deus, e por essa vida justa que foi entregue na cruz para perdão dos pecados, Deus imputa em nós a justiça da vida de Jesus e só assim, todas as condições para o perdão divino foram satisfeitas. (Contudo foi da vontade do Senhor esmagá-lo e fazê-lo sofrer, e, embora o Senhor faça da vida dele uma oferta pela culpa, ele verá sua prole e prolongará seus dias, e a vontade do Senhor prosperará em sua mão. Depois do sofrimento de sua alma, ele verá a luz e ficará satisfeito; pelo seu conhecimento meu servo justo justificará a muitos, e levará a iniquidade deles. Por isso eu lhe darei uma porção entre os grandes, e ele dividirá os despojos com os fortes, porquanto ele derramou sua vida até à morte, e foi contado entre os transgressores. Pois ele carregou o pecado de muitos, e intercedeu pelos transgressores. Isaías 53:10-12)
Jesus não só simplesmente morreu em nosso lugar, mas também viveu por nós a vida justa que nós não somos capazes de viver, e dessa forma somos justificados, não porque temos qualquer coisa que tenha agradado a Deus, mas porque Jesus satisfez todas as condições de Deus Pai para o perdão.
Diante dessa tão grande e profunda verdade, não há como não lembrar das palavras de Jesus: ("Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim. João 14:6) e ("Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela. Como é estreita a porta, e apertado o caminho que leva à vida! São poucos os que a encontram". Mateus 7:13-14)
Jesus é o único caminho, não há outro caminho para a reconciliação com Deus, pois somente pela cruz de Cristo é que as condições de Deus são satisfeitas.
À Deus, toda honra, toda glória e todo louvor eternamente.


---

Marcelo Mittelstadt é um irmão muito querido que congrega na Igreja Batista Nova Vida de Lajeado/RS.
Deus o Abençoe Marcelão! Paz seja contigo!

Em Cristo, SEMPRE...

Presbítero Matheus Souza
Igreja Batista Nova Vida Sobradinho/RS

Follow CDMatheus on Facebook Follow CDMatheus on Twitter Follow me on Google Plus

"Lúcidos, mas Endemoniados" - Augustus Nicodemus




Augustus Nicodemus Lopes é formado em teologia pelo Seminário Presbiteriano do Norte, de Recife, mestre em Novo Testamento pela North-West University, ligada à Igreja Reformada, emPotchefstroom (África do Sul), doutor em Interpretação Bíblica pelo Westminster Theological Seminary (Estados Unidos), com estudos na Protestant Theological University em Kampen (Holanda). Fez pós-doutorado em 2013 no Westminster Theological Seminary. Foi professor e diretor do Seminário Presbiteriano do Norte (1985-1991), professor de exegese do Seminário José Manuel da Conceição em São Paulo, professor de Novo Testamento do Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper (1995-2001), pastor da Primeira Igreja Presbiteriana do Recife (1989-1991), pastor da Igreja Evangélica Suíça de São Paulo (1995-2001) e pastor auxiliar na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, em São Paulo, SP (2002-2014). Atualmente é pastor titular da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia/GO. (fonte: Wikipédia)

Em Cristo, SEMPRE...
Pb. Matheus Souza
Follow CDMatheus on Facebook Follow CDMatheus on Twitter Follow me on Google Plus

JESUS CONHECE O CORAÇÃO DOS HOMENS


JESUS CONHECE O CORAÇÃO DOS HOMENS

Ora, estando ele em Jerusalém pela festa da páscoa, muitos, vendo os sinais que fazia, creram no seu nome. Mas o próprio Jesus não confiava a eles, porque os conhecia a todos, e não necessitava de que alguém lhe desse testemunho do homem, pois bem sabia o que havia no homem.”
João 2:23-25

            Os milagres operados por Jesus Cristo geraram alguma crença naqueles que os testemunhavam, mas Ele sabia que naquele lugar não seria mais do que uma “maravilha passageira”, ou seja, muitos se sentiam atraídos pelo sensacionalismo das coisas que fazia, mas aqueles homens que o procuravam o seguiriam somente enquanto pudessem testemunhar os sinais e os milagres operados por Jesus, pois não havia no coração deles o compromisso.

Jesus sabia que aqueles homens, no primeiro sermão proferido sobre sacrifício pessoal, a negação de si mesmos, entrega total e incondicional das vidas à vontade de Deus, sobre a cruz e sobre carregar a sua cruz, aqueles homens não o compreenderiam, não aceitariam pagar o preço por segui-lo e o abandonariam.

Jesus Cristo não procura volúveis “seguidores de bênçãos”, mas discípulos confiáveis que o aceitem e que o sigam sem hesitar, adorando-o em “espírito e em verdade” (Jo 4:23), sabendo claramente o significado de “carregar sua cruz” (Mt 16:24; Mc 8:34; Lc 9:23). É improvável que uma fé baseada somente no que é visível seja firme ou permaneça.

Se não há compromisso, mudança de vida, novo nascimento, entrega total, não somos dignos de Cristo (Mt 10:37-38). Jesus conhece o coração do homem e sabe que somos frágeis, instáveis e emocionais. Sabe que podemos agir ou nos levar por momentos de forte emoção, mas retroceder imediatamente ao descobrir o real significado das nossas decisões.

Jesus não quer, não precisa e não procura uma multidão de homens que o aclamem mas não sabem realmente quem Ele é, o que Ele representa e o preço a ser pago para o seguir. Jesus busca um grupo fiel, mesmo que reduzido, de homens que saibam o que estão fazendo e que estejam dispostos a segui-lo até o fim, a qualquer preço.

Jesus quer ser amado por você de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de todas as tuas forças.

“Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de todas as tuas forças.”
Marcos 12:30
           
Busque-O, entenda-O, aceite-O e  ame-O...

            Em Cristo, SEMPRE!

            Presbítero Matheus de Oliveira Souza
            Igreja Batista Nova Vida
Sobradinho/RS


Obras de Referência:
Bíblia Sagrada – Antigo e Novo Testamento – Autor: YHWH – Escritor: Vários
Pregação Pura e Simples – Stuart Olyott – Editora Fiel – 2008
Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento – Lawrence O. Richards – Editora CPAD – 2012
Comentário Bíblico do Novo Testamento – William  Barclay – 1956.


A Verdadeira Paz



“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; eu não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.” João 14:27

No culto de hoje à noite, Deus falou através da nossa amada Irmã Leonilda Y Castro, e o texto base de sua preleção foi este, João 14:27. Verso que nos fala de Paz. Vou tentar passar aqui um pouco da bênção da Palavra que recebemos.

Não é fácil falar de paz nos dias de hoje, porque é difícil definir o que é paz. Se eu perguntasse “O que é paz?” tenho certeza que ouviria respostas como: “paz é não estar em guerra”; “paz é viver sem conflitos”; “paz é não brigar com ninguém”; “paz é não ter preocupações”.

Realmente, uma das definições mais conhecidas de “paz” é a “ausência de guerras”, ou seja, paz é a ausência de conflitos. Vem então a minha mente a imagem de um homem sentado num pequeno barco em um lago, tranquilamente manejando sua vara de pescar e fisgando alguns peixes para o jantar, enquanto sua esposa o observa serenamente da varanda de casa, onde ela calmamente serve alguns copos de limonada para seus filhos que brincam no verde gramado à beira do lago, tudo debaixo de um céu imensamente azul...

Esta cena bucólica parece definir o que é viver em “paz” para você? Sem preocupações, sem problemas, sem dívidas, sem doenças, sem brigas, sem conflitos, sem guerras, sem contradições...

Sinto muito, mas esta cena não define o que é “paz”. E nem de perto mostra o que é a “paz” que Jesus Cristo nos deixou.

Jesus disse: “não vo-la dou como o mundo a dá...” e é exatamente isto que Ele quis dizer, que a paz que o mundo ensina não é a verdadeira paz, mas sim uma paz que aparece travestida de “mundo perfeito”, fútil, fugaz e vazia. A paz que o mundo oferece é aquela falsa sensação de segurança e bem estar trazido por uma situação financeira favorável, um bom emprego, uma casa confortável, um bom carro, uma situação familiar estável, vivendo em um país que não esteja em guerra, enfim...

Isto não é “paz”.

Para desvendarmos o que é a verdadeira paz vamos olhar o contexto do capítulo 14 de João. Em praticamente todo o capítulo, Jesus Cristo nos  fala de um relacionamento com Deus, observe:

“não se turbe vosso coração, crede em Deus, crede também em mim”. Vs 1
“eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai a não ser por mim”. Vs 6
“Aquele que crê em mim, esse também fará as obras que eu faço”. Vs 12
“Se me amardes, guardareis os meus mandamentos”. Vs 15
“ele vos dará outro Ajudador, para que fique convosco para sempre”. Vs 16
“Não vos deixarei órfãos; voltarei a vós”. Vs 18
“Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama”. Vs 21
“Quem não me ama, não guarda as minhas palavras”. Vs 24
“o Espírito Santo a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto eu vos tenho dito”. Vs 26
“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; eu não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração...”. Vs 27

Portanto, quando entendemos o contexto  em que o verso 27 está incluído, notamos que Jesus Cristo está falando do relacionamento entre o homem e Deus. “Creiam”, “amem”, “guardem”, “peçam”, “permaneçam” são palavras usadas por Jesus antes de anunciar “deixo-vos a minha paz”.

Parafraseando Jesus Cristo: “Creiam em Deus, creiam em mim, porque eu estou no Pai, e o Pai está em mim. Não tenham medo porque na casa de meu Pai há muitas moradas preparadas para aqueles que me amam e Eu sou o caminho, a verdade e a vida e de nenhuma outra forma verão a Deus, senão por mim, seu filho. Creiam em mim e creiam naquele que me enviou e vocês farão ainda grandes obras. Peçam, em meu nome e lhes será concedido para que o Pai seja glorificado no filho. Guardem meus mandamentos, pois aquele que os guarda mostra seu amor por mim. Vivam com confiança e Eu rogarei ao Pai e Ele lhes enviará o Espírito Santo, que estará permanentemente com vocês para vos lembrar de tudo o que lhes falei. Esta é a paz que vos deixo,a minha paz, não a paz que está no mundo. Não tenham medo e nem se angustiem, porque eu vou, mas voltarei para vocês...”

Concluímos que a verdadeira paz está em vivermos um correto relacionamento com Deus, confiando, guardando seus mandamentos, amando, esperando e crendo nas palavras do SENHOR.

Não significa, portanto, que não teremos lutas ou dificuldades. Significa sim que, mesmo em meio à maior tempestade, descansamos nos braços do SENHOR porque vivemos na paz que Ele nos deixou. A mesma paz que foi anunciada aos pastores quando Jesus Cristo nasceu (Lucas 2:14) e a paz que Jesus declarou aos discípulos após sua ressurreição (Lucas 24:36).

Vivamos em paz, na verdadeira paz. Um relacionamento fiel com Deus através de Seu filho Jesus Cristo.

Receba a Jesus como seu SENHOR e SALVADOR.



Em Cristo, SEMPRE...
Pb. Matheus Souza